Navigation – Plan du site
De Afonso X a Afonso XI - Maria do Rosário Ferreira (dir.)

Apresentação

Maria do Rosário Ferreira

Texte intégral

1A Crónica de 1344 é uma das mais emblemáticas obras da cultura ibérica do século XIV. Redigida na língua do ocidente peninsular por Pedro de Barcelos, filho natural do rei D. Dinis de Portugal, configurava-se originalmente como uma história universal, estruturada segundo um singular princípio cronológico de reiteração temporal onde a história ibérica adquiria lugar privilegiado, incidindo com especial detalhe no período de reorganização territorial da Espanha cristã, flanqueado por duas grandes vitórias contra os mouros: Clavijo (844) e o Salado (1340). Esta obra, porém, estava destinada a ter uma recepção complexa e uma transmissão acidentada. Por volta de 1400, foi reformulada de modo a aproximar-se do modelo historiográfico alfonsino, cuja linearidade cronológica e restrição ao espaço matricial hispânico recupera substancialmente. É nesta forma que vem a ser conhecida pela crítica do século XX como Crónica Geral de Espanha de 1344 ou Segunda Crónica Geral. A nova redacção alterou profundamente a secção inicial do texto de Pedro de Barcelos, que não se conformava com os preceitos alfonsinos, mas parece ter deixado substancialmente intacto o remanescente da obra. A versão de c. 1400 veio a ser, pouco antes de 1460, objecto de uma nova reformulação. Esta se, por um lado, prolongou a matéria até meados do século catorze, tendeu, por outro, a abreviar o texto anterior. Tanto a crónica original como a reformulação de c. 1400 foram traduzidas para castelhano em data recuada.

2A tradição manuscrita resultante deste percurso atribulado é lacunar e bilingue. A versão de c. 1460 foi integralmente preservada em português, mas o seu carácter abreviante torna-a um mau testemunho do texto original da Crónica de 1344. Esse, subsiste apenas em tradução castelhana, terminando truncado no reinado de Afonso VII. Quanto à redacção de c. 1400, os manuscritos portugueses que a testemunham não conservam duas importantes porções do texto: a história dos reis de Portugal, inserida no reinado de Afonso VII, e a história dos reis de Castela-Leão desde a morte de Fernando III até ao presente da redacção. A versão extensa desses reinados pode ler-se apenas nos manuscritos castelhanos que preservam a tradução efectuada nos inícios do século XV.

  • 1 Luís Filipe Lindley CINTRA (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344, 4 vol., Lisboa: Academia Portug (...)
  • 2 Preservado no manuscrito A1 da Biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa.
  • 3 Manuscrito Port.9 da Bibliothèque Nationale de France.
  • 4 Diego CATALÁN e María Soledad de ANDRÉS (ed.), Edición Crítica del Texto Español de la Crónica de 1 (...)
  • 5 Fólios 1 a 55 do ms. M, 2656 da Biblioteca Universitária de Salamanca.

3A Crónica de 1344 foi objecto de duas edições: a primeira, de Luís Filipe Lindley Cintra1, incidiu sobre o texto português da versão de c. 14002, colmatado com a abreviação de c. 14603; a segunda, de Diego Catalán4, restringiu-se à secção inicial da tradução castelhana da versão original5, atípica na sua estrutura cronológica, e que a reformulação tinha desfigurado. Das duas sequências régias referidas, de Afonso Henriques a Afonso IV de Portugal e de Afonso X a Afonso XI de Leão e Castela, apenas está editado (por Cintra) o texto de c. 1460, particularmente abreviado nos reinados castelhano-leoneses finais

4Pedro Afonso, conde de Barcelos, foi o mais proeminente fidalgo português do seu tempo, e mantinha fortes laços com os mais poderosos sectores da aristocracia castelhana. A sua actividade de escrita, situada na década de 1340, abrangeu crónica, genealogia e poesia. Além do valor literário, a sua obra destaca-se pelo seu interesse histórico, ideológico e político, transparecendo nela uma teoria do poder idiossincrática e uma compreensão visionária do papel da Península Ibérica no devir da História. É o relato inédito dos sucessos protagonizados pela monarquia castelhano-leonesa de Afonso X a Afonso XI (para o autor, a história recente, alheia às fontes alfonsinas) que o trabalho editorial apresentado neste volume, baseado no texto dos testemunhos castelhanos da Crónica de 1344, vem agora disponibilizar aos hispanistas.

  • 6 Trata-se dos manuscritos: Q2, Madrid, Biblioteca Nacional de España, 10815, e U, Madrid, Biblioteca (...)
  • 7 O ms. N, mal classificado, foi correctamente identificado por Filipe Alves Moreira em 2012; quanto (...)
  • 8 Ver o stemma codicum em documento anexo.

5Na sua forma íntegra, este relato está preservado em cinco manuscritos castelhanos (G, N, P, S, U)6, dois dos quais (G e N) vieram recentemente reforçar a transmissão textual da Crónica de 1344 graças à pesquisa de membros ou consultores do Projecto7. O exaustivo trabalho de colação efectuado pela equipa sobre a secção a editar levou à distinção segura de duas famílias textuais (Q e S contra U, S e N), o que permite desde já propor um reordenamento da tradição manuscrita e a elaboração de um novo stemma codicum8, sujeito, evidentemente, a validação no remanescente do texto. Além disso, o ms. N revelou depender de G, o que resultou na sua exclusão dos manuscritos pertinentes para a elaboração de uma edição crítica

  • 9 Com excepção do ms. U, pois não foi possível obter junto dos responsáveis pelo espólio da Bibliotec (...)
  • 10 Ver Pedro SÁNCHEZ-PRIETO BORJA, (2012): “La red CHARTA: nuevas perspectivas en la edición y estudio (...)
  • 11 Red CHARTA, Criterios de edición de documentos hispánicos (Orígenes - siglo XIX), http://www.charta (...)

6Este volume disponibiliza o texto da secção cronística em estudo, segundo os manuscritos Q2, S, U e G. O texto contido nos fólios correspondentes de cada um dos manuscritos considerados é objecto de uma tripla apresentação (transcrição diplomática, texto crítico e reprodução fac-similar9), de acordo com a prática editorial instituída pelo projecto. internacional Red CHARTA ( http://www.charta.es/​nosotros/​ )10. Os critérios de transcrição e fixação crítica do texto seguem de perto os estabelecidos pelo mesmo projecto11, com algumas adaptações destinadas a ajustá-los às características específicas do corpus textual a editar aqui. Os textos fixados serão ainda disponibilizados, em anexo, em apresentação paralela.

7A edição crítica do texto castelhano dos reinados de Afonso X a Afonso XI na Crónica de 1344, que constitui o objectivo último deste volume, é elaborada tendo em conta as variantes dos quatro manuscritos, a partir de Q2. Sendo Q2 e U os manuscritos mais antigos e menos corrompidos de cada uma das famílias textuais identificadas, a selecção recairia inevitavelmente sobre um deles. A verificação de que, na secção em causa, U procede a correcções do texto do seu antígrafo que o afastam a um tempo do seu irmão G e da família textual paralela (Q2 e S), levou à escolha de Q2 como base da edição

8O trabalho editorial vem acompanhado de um conjunto de estudos críticos sobre a tradição manuscrita da Crónica de 1344, bem como de informações históricas sobre as personagens referidas no texto, a geografia e circunstâncias políticas dos acontecimentos relatados nesta secção e as condições de redacção da obra.

9Dirigida por Maria do Rosário Ferreira, a presenta publicação organiza-se como um conjunto de artigos elaborados, autonomamente ou em colaboração, pelos membros da equipa do projecto Pedro de Barcelos (Maria do Rosário Ferreira, Maria Joana Gomes, Ana Sofia Laranjinha, José Carlos Miranda, Filipe Alves Moreira).e pelos consultores António Resende de Oliveira e Ricardo Pichel Gotérrez

Haut de page

Document annexe

Haut de page

Notes

1 Luís Filipe Lindley CINTRA (ed.), Crónica Geral de Espanha de 1344, 4 vol., Lisboa: Academia Portuguesa de História/Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1951, 1964, 1971, 1990.

2 Preservado no manuscrito A1 da Biblioteca da Academia das Ciências de Lisboa.

3 Manuscrito Port.9 da Bibliothèque Nationale de France.

4 Diego CATALÁN e María Soledad de ANDRÉS (ed.), Edición Crítica del Texto Español de la Crónica de 1344 que Ordenó el Conde de Barcelos don Pedro Alfonso, Madrid: Gredos / Seminário Menéndez Pidal, 1970

5 Fólios 1 a 55 do ms. M, 2656 da Biblioteca Universitária de Salamanca.

6 Trata-se dos manuscritos: Q2, Madrid, Biblioteca Nacional de España, 10815, e U, Madrid, Biblioteca Francisco de Zabálburu y Basabe, 11-109, ambos da primeira metade de séc.XV; S, Santander, Biblioteca Menéndez y Pelayo, M/109, provavelmente da segunda metade do mesmo século; G, Genève, Bibliothèque de Genève, l.e.204, da transição dos séculos XV para XVI; e N, Madrid, Biblioteca Nacional, de España, 1499, já do século XVII.

7 O ms. N, mal classificado, foi correctamente identificado por Filipe Alves Moreira em 2012; quanto ao ms. G foi descoberto por Francisco Bautista em 2013, já após a apresentação da candidatura do projecto.

8 Ver o stemma codicum em documento anexo.

9 Com excepção do ms. U, pois não foi possível obter junto dos responsáveis pelo espólio da Biblioteca Zabálburu autorização para a execução e divulgação de reproduções digitais de qualidade

10 Ver Pedro SÁNCHEZ-PRIETO BORJA, (2012): “La red CHARTA: nuevas perspectivas en la edición y estudio de documentos hispánicos”, in: Mª Jesús TORRENS ÁLVAREZ e Pedro SÁNCHEZ-PRIETO BORJA (ed.), (2012) Nuevas perspectivas para la edición y el estudio de documentos hispánicos antiguos. Berna: Peter Lang, p. 17-44.

11 Red CHARTA, Criterios de edición de documentos hispánicos (Orígenes - siglo XIX), http://www.charta.es [2ª, abril de 2013; 1ª, febrero de 2011].

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Maria do Rosário Ferreira, « Apresentação », in Maria do Rosário Ferreira (dir.), De Afonso X a Afonso XI, Paris, SEMH-Sorbonne — CLEA (EA 4083) (Les Livres d’e-Spania « Travaux en cours », 3), 2015, [En ligne], Mis en ligne le 16 juin 2015, consulté le 21 novembre 2017. URL : http://e-spanialivres.revues.org/785

Haut de page

Auteur

Maria do Rosário Ferreira

Articles du même auteur

Haut de page