Navigation – Plan du site
De Afonso X a Afonso XI - Maria do Rosário Ferreira (dir.)

Transmissão textual e recepção

Filipe Alves Moreira

Résumé

A secção final da Crónica Geral de Espanha de 1344, em que se incluem os relatos dos reinados de Afonso X, Sancho IV, Fernando IV e Afonso XI, preserva-se num dos mais antigos testemunhos portugueses desta crónica, P, e suas cópias, e em cinco manuscritos castelhanos, Q2, S, U, G e N. O texto do manuscrito P está, porém, incompleto, interrompendo-se quase no início do reinado de Afonso XI. Além de incompleto, o texto de P revela-se geralmente mais abreviado do que o correspondente texto dos manuscritos castelhanos. Uma vez que esta tendência abreviadora se verifica ao longo de praticamente todo o texto de P, e não apenas nesta seção final, podemos admitir que os manuscritos castelhanos estão, globalmente, mais próximos da letra do arquétipo da tradição. Apesar disso, o texto de P deve ser tido em conta no processo de constituição da edição crítica, não apenas por ser o único testemunho subsistente do texto na sua língua original, mas também por preservar leituras corretas, ou aceitáveis, em casos em que os testemunhos castelhanos coincidem em apresentar leituras erróneas. 

A concordância literal entre todos os testemunhos castelhanos que contêm a seção final da crónica e a existência de alguns erros comuns explicáveis pela má tradução do original português, mostram, por outro lado, que Q2, S, U, G e N representam uma mesma tradução. Nenhum destes testemunhos revela variantes redaccionais que permitam pensar em processos de reelaboração textual que ultrapasse o nível de cópia, com exceção de um episódio do reinado de Afonso X (o do pedido da imperatriz de Constantinopla), presente apenas em dois manuscritos, Q2 e S. Com base, sobretudo, no método dos erros comuns, e com apoio na collatio externa, é possível postular a existência de duas famílias, constituída, uma, por G, N e U; e a outra, por S e Q2. É também possível afirmar que N é um descriptus de G, não obstante a existência de um ou outro caso em que N concorda com os restantes testemunhos contra G, facto que poderá interpretar-se como indício de estarmos perante uma tradição contaminada.

Ao contrário de P, que, à exceção de uma troca de nomes, não contém nenhum locusclassificável como erro, todos os manuscritos castelhanos contém vários loci desse tipo. Um critério puramente quantitativo (existência de menor número de loci classificáveis como erros) leva a eleger o texto do manuscrito Q2 como base da edição crítica.

Estes dados indiciam, por si só, duas estratégias, ou atitudes, rececionais, diferentes, mais ativa e diferenciadora no caso de P do que no dos manuscritos castelhanos. Esta diferença de atitude verifica-se também do ponto de vista material. Enquanto P ostenta um fólio inicial iluminado e com marca de posse (armas e divisa do Condestável D. Pedro de Portugal), sinal de investimento simbólico, nenhum dos manuscritos castelhanos possui qualquer tipo de iluminura, e a maioria deles aparenta ter sido elaborada com intuitos meramente pragmáticos.

Deve também ter-se em atenção o uso da seção final da Crónica de 1344 em outras obras. A segunda redação da Crónica de 1344 foi uma das crónicas gerais mais lidas em Castela, ao longo dos séculos XV e XVI. Permanecendo, embora, desconhecido o centro responsável pela sua tradução, é todavia possível postular algumas linhas de transmissão e receção. É o caso da «escola» historiográfica de Alfonso de Cartagena, o célebre Deão de Santiago e Bispo de Burgos, que usou esta obra em textos de sua autoria. O seu pai, Pablo de Santa Maria, é, de momento, o autor castelhano mais antigo que sabemos ter manejado a Crónica de 1344, e os seus discípulos (Diego Rodríguez de Almela, por exemplo) também conheceram e usaram esta obra. No que diz respeito aos relatos dos reinados de Afonso X, Sancho IV, Fernando IV e Afonso XI, os autores castelhanos quatrocentistas e quinhentistas parecem basear-se, sobretudo, nas respetivas crónicas, elaboradas em meados do século XIV. A possibilidade de, pela primeira vez, confrontarmos o texto das obras dos séculos XV e XVI com o da Crónica de 1344 nesta seção final permitirá, porém, identificar possíveis usos desta última, o mesmo sendo válido para textos e autores portugueses. Assim se obterá um conhecimento mais aprofundado da importância da Crónica de 1344 na escrita historiográfica e na constituição e preservação de uma memória história na Península Ibérica de finais da Idade Média e inícios da Época Moderna.

Haut de page

Pour citer cet article

Référence électronique

Filipe Alves Moreira, « Transmissão textual e recepção », in Maria do Rosário Ferreira (dir.), De Afonso X a Afonso XI, Paris, SEMH-Sorbonne — CLEA (EA 4083) (Les Livres d’e-Spania « Travaux en cours », 3), 2015, [En ligne], Mis en ligne le 17 juin 2015, consulté le 22 septembre 2017. URL : http://e-spanialivres.revues.org/829

Haut de page

Auteur

Filipe Alves Moreira

Bolseiro de pós-doutoramento da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, com um projecto sobre a tradição manuscrita das crónicas de Rui de Pina (de D. Sancho I a D. Afonso IV), é investigador integrado do SMELPS, participando no projecto “Pedro de Barcelos…”. É igualmente membro da equipa da BITAGAP (Bibliografia de Textos Antigos Galegos e Portugueses), do projecto Philobiblon (http://bancroft.berkeley.edu/philobiblon/bitagap_en.html). Os seus principais interesses de investigação são a crítica textual, a historiografia ibérica dos séculos XIII a XVI e as representações do poder real.Entre as suas publicações, salientam-se Afonso Henriques e a Primeira Crónica Portuguesa (Porto, Estratégias Criativas, 2008) e A Crónica de Portugal de 1419: fontes, estratégias e posteridade (Lisboa, Gulbenkian/FCT, 2013).

Articles du même auteur

Haut de page